Após a anistia, Brasil cria a “Bolsa Ditadura” – Coluna do Zózimo

A bronca do presidente Bolsonaro contra a “Bolsa Ditadura”

 

O Brasil já pagou quase R$ 10 bilhões a título de indenizações e pensões a anistiados políticos que foram considerados vítimas do regime militar de 1964.

A revelação foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro, em tom de sátira, no início deste mês.

Segundo Bolsonaro, a União já gastou R$ 9,9 bilhões com a licença dos benefícios a 39.370 pessoas.

“Moeda suado, do povo ordeiro e trabalhador, pago a 39.370 pessoas ditas perseguidas e autointituladas defensoras da democracia”, reclamou no Twitter. 

Reparação

Os pagamentos de indenizações e pensões, também chamados de “Bolsa Ditadura”, foram concedidos no final do Governo Fernando Henrique Cardoso, com a sanção da Lei 10.559/2002, que trata da reparação econômica aos anistiados políticos.

Já a anistia foi concedida no início do governo Figueiredo, o último do ciclo militar, através da Lei n° 6.683, de 28 de agosto de 1979, que está completando 40 anos.

A Lei da Anistia foi sancionada com o objetivo de volver punições aos cidadãos brasileiros que, de 1964 a 1979, foram considerados criminosos políticos e perseguidos pelo regime militar.

Os benefícios alcançaram também os agentes do Estados acusados de tortura e outros crimes durante o período.

Civis x Militares

Conforme levantamento da Escritório Pública, o Ministério da Resguardo paga atualmente indenizações a 3.614 militares ou dependentes, pouco mais da metade do totalidade de militares perseguidos identificados no relatório final da Percentagem Pátrio da Verdade.

Na lista da Resguardo, constam ex-integrantes do Tropa, Aviação e Marinha que foram impedidos de continuar nas Forças Armadas durante o regime militar e recorreram ao mercê depois 2002, final do governo Fernando Henrique Cardoso, quando foi instituído o Regime do Anistiado Político.

Leia mais:  F5 - Televisão - The Four Brasil: Alma Thomas é a vencedora com 50,58% dos votos

O governo federalista concede anistia ainda a 10.523 civis ou dependentes. Ou seja, para cada militar anistiado pelo Executivo, há três civis beneficiados.

Apesar de os militares serem em menor número, os valores pagos a eles são proporcionalmente maiores.

Em 2018, o Ministério do Planejamento, que faz o pagamento a civis, gastou R$ 436 milhões em indenizações.

Já as Forças Armadas, juntas, despenderam R$ 558 milhões.

A proporção varia a cada ano, devido a indenizações em prestações únicas ou a pagamentos retroativos.

Quem tem recta

Embora amplamente amparada pela norma legítimo, a licença da Anistia não acontece “ex-officio”. O mercê tem de ser requerido pelo cidadão que se julga com recta ao ato reparatório.

O mercê pode ser pago de duas formas: em reparação econômica em prestação única ou em reparação econômica mensal, permanente e continuada.

Fazem jus à reparação econômica em prestação única, no valor de 30 salários mínimos por ano, os militares anistiados que não foram afastados do Comando Militar ao qual estavam vinculados.

Fazem jus à prestação mensal, permanente e continuada os militares que perderam o vínculo com seu respectivo Comando Militar (Marinha, Tropa ou Aviação), mas que, num período ulterior, foram anistiados, promovidos e reintegrados à Força.

Término da “Bolsa”

Atualmente, a decisão sobre a inclusão de novos anistiados civis ou militares compete ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, orientado pela ministra Damares Alves.

À revista IstoÉ, a ministra afirmou que irá “estabelecer um momento para o término das reparações. O regime militar acabou há 35 anos. Isso vai perseverar para sempre?”, questionou.

“A lentidão não é responsabilidade das vítimas, mas do Estado. É o Estado que vai postergando e inclusive revitimizando as famílias que foram vítimas de violência durante a ditadura”, contesta o procurador regional da República Marlon Weichert, avante do Grupo de Trabalho Recta à Memória e à Verdade do Ministério Público Federalista de São Paulo (MPF-SP).

Leia mais:  Brasil na Primeira Guerra Mundial

No ano pretérito, houve um incremento de pedidos de anistia indeferidos ou arquivados pelo Ministério da Justiça, logo responsável pela Percentagem de Anistia.

Em 2018, foram 1.894 pedidos aos quais o ministério disse não – em 2017, esse número havia sido de exclusivamente 134, ou seja, um aumento de 1.313% nas negativas.

(Com informações da Examinação.com, Escritório Pública, istoé.com e Ministério da Resguardo)

 

you are watchingt: Após a anistia, Brasil cria a “Bolsa Ditadura” – Coluna do Zózimo
Source Website: https://sacaairports.org
Categoría: brasil

Leave a Reply