Laboratório de Demografia e Estudos Populacionais

A revisão 2019 das projeções populacionais da ONU para o século XXI

Data: 18 de junho de 2019

[EcoDebate] A Repartição de População da ONU disponibilizou, no dia 17 de junho de 2019, as novas projeções populacionais para todos os países, para as regiões e para o totalidade mundial. A população mundial para 2019 foi estimada em 7,70 bilhões, devendo chegar a 7,79 bilhões em 2020 e a 8 bilhões de habitantes em 2023.

 

Em decorrência das incertezas sobre o horizonte, as projeções são apresentadas em três cenários, conforme mostra o gráfico aquém. A revisão 2019 indica, no cenário de projeção subida, uma população de 15,6 bilhões de habitantes no mundo em 2100 (a revisão 2017 projetava um número de 16,52 bilhões). No cenário de projeção média, a população global seria de 10,87 bilhões de habitantes em 2100 (a revisão 2017 projetava um número de 11,18 bilhões). E no cenário de projeção baixa, o número ficaria em 7,32 bilhões de habitantes em 2100 (a revisão 2017 projetava 7,28 bilhões). Na projeção média – a mais provável de ocorrer – o número da revisão 2019 é 300 milhões menor do que o da projeção da revisão anterior, divulgada em 2017.

 

O propagação populacional anual que está em 1,1% ao ano, no quinquênio 2015-20 vai se desacelerar ao longo do século e, na projeção média, deve permanecer em 0,4% ao ano no quinquênio 2095-2100. Ou seja, a estabilização da população mundial só deve ocorrer no século XXII.

 

três cenários de projeções populacionais do mundo

 

A tábua aquém apresenta as estimativas da população mundial em 1950, 2000 e 2020 e a projeção média para 2050 e 2100 para o mundo e para os continentes, além da verificação com os dados da projeção média da revisão 2017 para o ano de 2100. Nota-se que a população mundial, mesmo com uma estimativa 300 milhões de habitantes mais baixa, deve crescer 4,3 vezes entre 1950 e 2100 (de 2,5 bilhões em 1950 para 10,9 bilhões em 2100).

 

A redução do totalidade populacional – na projeção média atual (2019) em relação à projeção anterior (2017) – ocorreu em todos os continentes, com exceção da Oceania que apresentou um ligeiro aumento. Para a África a projeção atual para 2100 é de 4,28 bilhões de habitantes (era de 4,48 na revisão 2017). Para a África Subsaariana a projeção atual é de 3,76 bilhões em 2100 (era de 4 bilhões na projeção anterior). Para a Ásia a projeção atual é de 4,72 bilhões em 2100 (era de 4,78 anteriormente). Para a Europa o número para 2100 é de 629 milhões (era de 653 milhões). Para a América Latina e Caribe (ALC) a projeção da revisão 2019 indica um número de 680 milhões de habitantes em 2100 (contra 712 milhões na projeção 2017). Para a América do Setentrião o novo número é de 491 milhões em 2100 (contra 499 milhões anteriormente). E por término, a novidade projeção indica 74,9 milhões de habitantes na Oceania em 2100 (era de 71,8 milhões na projeção 2017).

Leia mais:  Top 10 maiores canais do Youtube no Brasil e no mundo [2021]

 

Portanto, a maior queda entre a projeção 2019 e a projeção 2017 ocorreu na África Subsaariana, com uma redução de 225 milhões de habitantes na estimativa de 2100. Mesmo assim, o propagação da população da África Subsaariana passou de 179 milhões, em 1950, para 640 milhões em 2000 e deve crescer 6 vezes durante o século XXI. A Ásia deve continuar sendo o continente mais populoso. A ALC deve permanecer com população aquém de 700 milhões, mas superior à população europeia em 2100.

 

população do mundo e dos continentes, revisão 2019 ONU

 

A tábua aquém apresenta os 20 países mais populosos do mundo em 2020 e os 20 mais populosos em 2100, além de confrontar as projeções para 2100 das duas últimas projeções da Repartição de População da ONU. Nota-se, que os dois países mais populosos do mundo continuarão a ser a China e a Índia, mas com uma inversão, pois a população indiana deve ultrapassar a população chinesa em 2027. Porém, a projeção da população da China em 2100, na revisão 2019 (de 1,06 bilhão) é maior do que na revisão 2017 (de 1,02 bilhão), enquanto da Índia a revisão 2019 indica 1,45 bilhão contra 1,52 bilhão da revisão 2017.

 

O terceiro país mais populoso em 2020 é aquele que se destaca na economia mundial (EUA) com 331 milhões de habitantes, mas será superado pela Nigéria ao longo do século XXI. Segundo a revisão 2019, os EUA terão 434 milhões de habitantes em 2100 (contra 447 milhões na revisão 2017) e a Nigéria terá 733 milhões de habitantes em 2100 (contra 794 milhões na revisão 2017).

 

A Indonésia é o quarto país mais populoso em 2020, mas deve desabar para o sétimo lugar em 2100, embora terá a população aumentada de 274 milhões em 2020 para 321 milhões em 2100. O Brasil que era o 5º país mais populoso desde o término da Segunda Guerra, foi ultrapassado pelo Paquistão em 2017 e deve permanecer em 12º lugar no final do século. Em 2020, o Paquistão terá 221 milhões de deve atingir 403 milhões em 2100 (na revisão 2017 a estimativa era de 379 milhões). O Brasil terá 213 milhões de habitantes em 2020 e 181 milhões em 2100 (era de 190 milhões na revisão 2017).

Leia mais:  Quanto você precisa ganhar para estar entre o 1% mais rico em cada país, do Brasil aos Emirados Árabes

 

Entre aqueles que vão perder maiores posições entre os 20 maiores países em termos demográficos, estão Rússia (de 9º para 19º lugar), México (10º para 17º lugar) e Vietnã, Turquia, Irã, Alemanha e Tailândia que vão trespassar do grupo dos países mais populosos. Entre os países que vão dar o maior salto demográfico estão República Demográfica do Congo (do 16º lugar para 6º lugar), Egito (do 14º lugar para 10º lugar) e a Etiópia (do 12º para 8º lugar).

 

Angola que tinha somente 4,5 milhões de habitantes em 1950 e que atingiu 16,4 milhões no ano 2000, deve inferir 188 milhões de habitantes em 2100, ficando em 11º lugar, na frente do Brasil no final do século. Outros países que vão eclodir na lista dos mais populosos são Níger, Sudão, Uganda e Quênia.

 

população dos 20 maiores países do mundo em 2020 e 2100, revisão 2019 ONU

 

A Repartição de População da ONU tem feito, desde 2012, projeções periódicas da população mundial com cenários até 2100. Evidentemente, as projeções variam segundo os parâmetros que vão sendo atualizados em cada país. A tábua aquém mostra a projeção da população mundial para o final do século XXI, segundo as últimas quatro revisões. Nota-se que a diferença entre a maior projeção e a menor é de somente 360 milhões de pessoas, ou 3% do totalidade estimado.

 

 projeções da população mundial para 20100

 

Recentemente, dois jornalistas canadenses Darrell Bricker e John Ibbitson lançaram o livro “Empty Planet: The Shock of Global Population Decline” (2019), contestando as previsões da Repartição de População da ONU. Os dois autores, que não são demógrafos, apostam em um cenário de projeção com um pico populacional aquém dos 9 bilhões de habitantes em meados do atual século e um rápido declínio nas décadas seguintes.

Leia mais:  Capitais do Brasil: quais são, estados, mapa

 

O veste é que as novas projeções da Repartição de População da ONU reafirmam, com os indicadores atuais, que a população mundial deve permanecer próxima de 11 bilhões de habitantes no final do século XXI. Porquê afirmei em outro cláusula, “o livro Empty Planet faz um terrorismo com a possibilidade de um decrescimento da população e assume uma postura pronatalista antropocêntrica e ecocida. Os autores reforçam o mito sobre a possibilidade de um propagação populacional e econômico inacabável (“Growthism”). Todavia, mais propagação quantitativo tem gerado menos qualidade de vida ambiental e pode levar a um colapso ecológico”.

 

Também Aidar Turner, no texto “Two Cheers for Population Decline”, publicado no Project Syndicate (29/01/2019), critica o alarmismo do livro “Empty Planet” e diz: “Um eventual declínio gradual da população, desde que resulte da livre escolha, deve ser bem-vindo. Por outro lado, líderes autoritários e chauvinistas, porquê o presidente russo, Vladimir Putin, o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, ou o presidente brasílico, Jair Bolsonaro, veem o propagação da população porquê um imperativo vernáculo e a subida feracidade porquê obrigação feminino. E mesmo muitos comentaristas não-chauvinistas assumem que há alguma coisa não proveniente ou insustentável no declínio da população, que sociedades envelhecidas devem inevitavelmente ser menos dinâmicas e que a imigração em grande graduação é a resposta forçoso ao declínio demográfico”.

 

Indubitavelmente, o horizonte está lhano e as próprias projeções da Repartição de População da ONU apresentam 3 cenários para a população mundial em 2100: 15,6 bilhões de habitantes na versão subida, 10,9 bilhões na versão média e 7,32 bilhões de pessoas na versão baixa. Pelos conhecimentos atuais o mais provável é a versão média. Ou seja, o mundo deve alongar 3 bilhões de habitantes nos próximos 80 anos. Prometer qualidade de vida para todo oriente montante de pessoas é um grande repto.

 

Mas o repto maior será prometer a sustentabilidade ambiental e evitar que a Pegada Ecológica global continue aumentando e a biocapacidade continue diminuindo. Principalmente, no quadro do propagação demoeconômico internacional, a grande tarefa é evitar a aceleração do aquecimento global e a 6ª extinção em volume das espécies, as duas fronteiras planetárias que podem levar a vida no Sistema Terreno ao colapso.

 

José Eustáquio Diniz Alves é Doutor em demografia

you are watchingt: Laboratório de Demografia e Estudos Populacionais
Source Website: https://sacaairports.org
Categoría: brasil

Leave a Reply